Posts Recentes

Como foi designado a primeira letra do Prefixo dos aviões Americanos com N- (November e os Números)?

Os EUA receberam o "N" como seu designador de nacionalidade sob a Convenção Internacional de Navegação Aérea, realizada em 1919. A Convenção prescreveu um esquema de marcação de aeronave de uma única carta indicando nacionalidade seguida de um hífen e quatro cartas de identidade (por exemplo, G- REMS). As cinco letras em conjunto deveriam ser o sinal de chamada de rádio da aeronave.

Na atribuição original de 1919, a maioria das nações compartilhou as primeiras letras. Somente os EUA e quatro outras nações receberam uma primeira carta única a ser seguida por qualquer combinação de quatro letras. Em cada caso, essa primeira carta era a mesma que uma carta de chamada de rádio que anteriormente havia sido atribuída a essa nação por uma série em evolução de acordos internacionais. A partir de abril de 1913, por exemplo, a Grã-Bretanha tinha direitos completos sobre as letras de rádio B, G e M, enquanto compartilhava certas outras letras. Não surpreendentemente, a Grã-Bretanha recebeu o G como seu identificador de nacionalidade de aeronave nos termos do acordo de 1919.

Durante esta era, os EUA tinham direitos completos sobre as letras de rádio N e W, e para combinações de K de KDA para KZZ. Por que essas letras particulares? As atribuições de W e K parecem ter sido arbitrárias, de acordo com artigos sobre sinais de chamada de rádio precoce por Thomas H. White. No caso de N, a White observa que a Marinha dos Estados Unidos usou esta carta de rádio desde novembro de 1909.

Isso ainda deixa a questão de por que N foi escolhido sobre W para o identificador de aeronave dos Estados Unidos. A resposta pode estar no fato de que o governo reservou N para si próprio, ao mesmo tempo que atribuiu combinações que começam com K e W para várias estações de rádio ao longo de linhas geográficas. N seria, portanto, menos confuso como uma única marca nacional para aeronaves.

A escolha não era universalmente popular. O Journal Aviation queria que os EUA adotassem W em homenagem aos irmãos Wright. O uso da letra N nos primeiros dias parece ter sido restrito a aeronaves que fizeram vôos internacionais. O cumprimento era voluntário neste momento, uma vez que os EUA não ratificaram a Convenção de 1919.

Nenhuma menção de N números apareceu nos Regulamentos de Comércio Aéreo iniciados em vigor pela primeira agência predecessora da FAA em dezembro de 1926. As marcas de carta que este conjunto de regras original especificado eram C (comercial), S (estado) e P (privado) , que precederam os números atribuídos a aeronaves licenciadas. As aeronaves não licenciadas tinham números, mas sem cartas, neste momento.

O primeiro requisito legal para a marcação N é encontrado nas primeiras alterações gerais ao Regulamento do Comércio Aéreo em 22 de março de 1927. Essas alterações exigiram que as aeronaves americanas envolvidas no comércio aéreo estrangeiro exibissem a N no início de suas marcas de identificação. Mais tarde, este requisito foi estendido a todas as aeronaves americanas, independentemente de serem operadas além das fronteiras da Nação.

Uma segunda carta indicando a categoria de aeronavegabilidade da aeronave seguiu a N e precedeu os números de identificação. Esses indicadores de aeronavegabilidade eram; "C" para standad, "R" para restrito, "X" para experimental, e mais tarde um "L" para limitado, (por exemplo, NC1234). Este foi padrão até 31 de dezembro de 1948, quando as aeronaves registradas pela primeira vez foram obrigadas a exibir marcas de identificação consistindo apenas na letra capital "N" romana seguida do número de registro. As aeronaves existentes operadas exclusivamente nos Estados Unidos poderiam continuar a exibir um símbolo de aeronavegabilidade até a primeira vez que essas aeronaves foram recuperadas ou refinadas em uma extensão que exigisse a reaplicação das marcas de identificação. Após 31 de dezembro de 1950, todas as aeronaves do registro dos Estados Unidos operadas fora dos Estados Unidos foram obrigadas a exibir marcas de identificação consistindo na letra capital "N" romana seguida do número de registro.

Até 31 de dezembro de 1960, o local necessário para exibir a nacionalidade e as marcas de identificação para as aeronaves de asa fixa eram as superfícies das asas e a superfície vertical da cauda ou da fuselagem. A partir de 1º de janeiro de 1960, todas as aeronaves de asa fixa eram obrigadas a exibir marcas de identificação nas superfícies verticais ou na cauda ou na fuselagem. As marcas da superfície da asa não eram mais necessárias.

Os padrões atuais para a exibição de nacionalidade e as marcas de identificação de registro em aeronaves civis dos EUA podem ser encontrados no Código de Regulamentos Federais, Título 14, Parte 45, Subparte C.

Nossos agradecimentos a Ned Preston, ex-historiador da FAA, que compilaram a maioria dessas informações.

www.americasaviation.com.br

Americas Logistics Inc. 8121 NW 68th Street Miami, FL 33166 USA - Phone +1 757-509-5823 - USA

 Av. Pres. Juscelino Kubitschek - 1830 - Chácara Itaim - São Paulo - SP +55 11 3090-3988 - Brasil