Posts Recentes

Boeing 'Animada' Com Possível Novo Turboélice Da Embraer


DUBLIN - A Boeing parece estar assistindo a um novo turboélice no planejamento de sua provável futura parceira da joint venture Embraer com algum interesse.

"A Boeing está familiarizada com o atual estudo da Embraer para o desenvolvimento de um novo turboélice", disse um porta-voz da Boeing ao Aviation Daily. "Estamos ansiosos para analisar o caso de negócios e estamos animados com a possibilidade de esse novo avião ser desenvolvido e produzido dentro de nossa joint venture planejada".

O presidente e CEO da Embraer Commercial Aircraft, John Slattery, tem como objetivo uma entrada em serviço do final de 2025 ou início de 2026 para uma nova gestão de aeronaves turboélice que estuda há dois anos.

Slattery disse na conferência Air Finance Journal Dublin 2020 que a empresa estará em posição de apresentar o plano de negócios ao conselho no final de 2019 para uma decisão de lançar a aeronave que, ele acredita, acontecerá na parte de trás dos pedidos. para "centenas de aeronaves".

A Embraer tem dedicado esforços significativos ao projeto, enquanto se prepara para fazer a transição de seus negócios de aeronaves comerciais para a joint venture Boeing Brasil-Commercial. Slattery destacou que o projeto só pode ocorrer dentro da joint venture, já que a Embraer sozinha não estará em posição de financiar o grande investimento necessário por si só.

Na visão de Slattery, uma nova aeronave forneceria a necessária nova concorrência no mercado de turboélices, onde a ATR tem "um monopólio efetivo". A Embraer e a Boeing ainda aguardam a aprovação da Comissão Européia para a joint venture, um processo que agora provavelmente se arrastará para o segundo trimestre de 2019. O projeto recebeu aprovação regulatória incondicional de oito em cada dez autoridades de concorrência necessárias.

O comentário da ATR está alinhado com a posição da Embraer de que seu vínculo com a Boeing é bom para a concorrência, pois permite que os dois ampliem seu portfólio de produtos, assim como a Airbus fez com a aquisição da antiga Bombardier C Series e sua participação na ATR .

Slattery disse ao Aviation Daily, à margem da conferência, que o cronograma de entrada em serviço para 2025/26 é crucial por dois motivos principais: primeiro, várias companhias aéreas estão prestes a tomar uma decisão para substituir os turboélices antigos nessa época. Além disso, a Embraer supõe que aeronaves híbridas-elétricas possam ser viáveis ​​em rotas regionais por volta de 2035, dando ao fabricante apenas dez anos para recuperar o investimento antes da chegada de um novo concorrente. O fabricante também acredita que o ATR reagirá com uma nova aeronave, caso a Embraer avance com o lançamento.

Atualmente, a Embraer está analisando uma família de turboélices de dois membros na extremidade superior do mercado que pode ser complementada por uma terceira variante menor em um estágio posterior, possivelmente com energia elétrica híbrida. A aeronave "terá a aparência de um [Embraer] E2". A Slattery está "confiante" de que os fabricantes de motores apresentarão opções de usinas de força que oferecerão grandes economias de custos operacionais em relação aos motores existentes.


www.americasaviation.com.br

Americas Logistics Inc. 8121 NW 68th Street Miami, FL 33166 USA - Phone +1 757-509-5823 - USA

 Av. Pres. Juscelino Kubitschek - 1830 - Chácara Itaim - São Paulo - SP +55 11 3090-3988 - Brasil