Ambulâncias Aéreas Futuras Podem Se Tornar Hospitais Voadores

A Leonardo Helicopters está trabalhando com associações médicas internacionais para estudar as tecnologias necessárias para futuros helicópteros de serviços médicos de emergência (EMS) (Emergency Medical Services - Serviço de emergência médica).

A ambulância aérea transformou os sistemas de saúde, salvando vidas acelerando o trânsito de pacientes de emergência para hospitais, mas também alcançando em lugares muito remotos ou de difícil acesso por estrada.

Mas o serviço de ambulância aérea também tem suas limitações.

Na maioria das operações civis do SME, o uso de helicópteros gira em torno da velocidade, levando médicos de emergência ao local do incidente o mais rápido possível, estabilizando o paciente no local e depois levando-os de volta ao hospital. Pouco ou nenhum tratamento é geralmente fornecido enquanto o paciente está em vôo.

O voo com asas rotativas não é propício ao tratamento, pois há muita vibração, o ruído dificulta a comunicação e o pequeno tamanho das cabines em alguns helicópteros dificulta o trabalho do paciente, especialmente quando equipamentos médicos volumosos estão a bordo.

Leonardo testou macas anti-vibração para ajudar pessoas com lesões na coluna vertebral

Comunicações em tempo real podem levar as informações dos pacientes de volta aos hospitais

Mas Leonardo Helicopters acredita que as tecnologias certas podem permitir que procedimentos médicos significativos sejam realizados durante o voo, acrescentando tempo à chamada Hora de Ouro, o período após um incidente traumático em que um tratamento médico imediato pode prevenir a morte.

Nos últimos dois anos, Leonardo trabalhou com Siaarti - a Sociedade Italiana de Anestesia, Analgesia, Reanimação e Terapia Intensiva - sobre a publicação de diretrizes para operações de helicóptero EMS (HEMS). A empresa também está trabalhando com a AAROI-EMAC, uma associação italiana de ressuscitação e anestesistas médicos de emergência, para desenvolver cursos para médicos e enfermeiros do HEMS. Isso também atraiu o interesse de vários operadores e associações na Austrália, Europa e nos EUA.

Além de trabalhar em seus conceitos Future HEMS, a empresa está desenvolvendo seu centro de treinamento em Sistema de Resgate e Operação de Helicópteros (HEROS), que apoiará cursos de resgate e treinamento médico.

"Quanto mais cedo você puder fornecer cuidados de salvamento ao paciente, mais chances você terá de reduzir danos permanentes aos pacientes e salvar vidas".

A tecnologia já está mudando a capacidade dos helicópteros de voar e navegar em todos os tipos de clima.

"Se o hospital está aberto o tempo todo, então o helicóptero deve estar disponível o tempo todo também".

Sistemas de visão aprimorados, compatibilidade com óculos de visão noturna e sistemas de alerta de reconhecimento de terreno para helicópteros estão se tornando cada vez mais equipamentos padrão de asa rotativa para oferecer suporte a operações mais seguras para qualquer clima, especialmente à noite. Leonardo Helicopters também está desenvolvendo uma versão 3D de seu Obstacle Proximity Lidar System (OPLS), que fornece avisos sonoros e visuais de obstáculos próximos às pás do helicóptero, permitindo pousos em espaços mais confinados.

Os desenvolvimentos na navegação baseada em desempenho também melhoraram as capacidades dos helicópteros, mas quando as equipes precisam identificar a localização exata de um paciente ferido, uma maneira de fazer isso pode envolver o rastreamento da localização do celular de uma pessoa. Essa tecnologia já foi desenvolvida para uso pelos helicópteros de busca e resgate da Noruega para missões do governo.

A empresa também está trabalhando para desenvolver um sistema de degelo completo para helicóptero bimotor de luz intermediária AW169 para atender a uma exigência da Rega Swiss Air Ambulance. O primeiro AW169 da Rega deverá ser entregue em 2020.

Leonardo também está em processo de certificação de seu helicóptero AW119Kx para regras de voo por instrumentos com um único motor, para atender às especificações do instrutor de helicópteros da Marinha dos EUA. Tal capacidade provavelmente também será desejada nos EUA para missões EMS.

Voo mais suave pode se tornar possível com o trabalho da empresa em pás de rotor principal ativas e rotores de cauda elétricos.

O mercado de helicópteros EMS (Emergency Medical Services - Serviço de emergência médica) também está evoluindo, com os operadores assumindo aeronaves cada vez maiores para a missão. Enquanto a maioria dos helicópteros EMS nos EUA são pequenos tipos de monomotores, centros médicos especializados adquiriram modelos maiores, incluindo helicópteros médios bimotores Airbus H155 para transferências médicas, particularmente adequados para bebês em incubadoras volumosas. Operadores na Austrália, Canadá e China estão usando ou planejando usar o AW139 de Leonardo para essa missão.

Outro fator que impulsiona a mudança para tipos maiores é que os pacientes estão se tornando mais altos e mais pesados.

Crítico para transformar o EMS em um hospital voador será o layout interior da aeronave. Grandes cabines fornecem mais espaço para os médicos realizarem procedimentos em pacientes.

“Os médicos querem ser capazes de fornecer intervenções cirúrgicas básicas durante o vôo”. Tais intervenções, podem envolver desde a costura de feridas até o sangramento até a intubação (como em uma traqueotomia) e a realização de massagens no coração.

Com a configuração correta, também pode ser possível fornecer os chamados tratamentos de ECMO durante o vôo, um processo de oxigenação do sangue quando o coração e os pulmões não estão funcionando bem.

Leonardo já começou a estudar o uso de um roteador de internet sem fio a bordo para ligar dispositivos médicos a bordo sem a necessidade de rastrear fios ao redor da cabine.

Especialista em tecnologia HEMS da Leonardo, diz que uma ligação direta em tempo real ao hospital também será crítica para que os dados dos pacientes possam ser monitorados não apenas no ar, mas também pelos médicos que receberão o paciente no local. Tal ligação também permitiria que médicos especialistas dessem conselhos ao pessoal médico na aeronave. Outra ideia que está sendo estudada é o uso de displays montados no capacete para que os médicos tenham dados de pacientes acessíveis na frente deles durante o vôo.

A empresa também testou macas com sistemas anti-vibração embutidos, para melhorar o conforto para pacientes com lesões na coluna vertebral.

Há também propostas para ver se a tecnologia do scanner de tomografia computadorizada pode ser miniaturizada ou adaptada para uso em um helicóptero EMS.

Posts Recentes