Posts Recentes

Por uma mera sorte e Perícia dos Pilotos, uma Fatalidade foi Evitada.

Ainda nestes dias recentes tivemos um incidente envolvendo um helicóptero e um LSA/ALE no Rio de Janeiro o que nos fez pensar nesta hipótese: E se estas aeronaves estivessem equipadas com dispositivos ADS-B e se o sistema já estivesse operacional no Brasil e disponível para todos, isso poderia ter sido evitado? Por uma mera sorte e perícia dos pilotos, uma fatalidade foi evitada e ficou apenas o susto e os danos materiais.

Vamos falar um pouco desta tecnologia e cada um tire suas próprias conclusões.

Até agora, se ouviu falar que o ADS-B é exigido, ou em breve será obrigatório e necessário, para operar em espaço aéreo especificado nos EUA em janeiro de 2020.

Mas, o que é exatamente ADS-B e por que é necessário?

ADS-B é um acrônimo de Vigilância Dependente Automática-Transmissão. ADS-B é tecnologia de vigilância. Está aumentando ou substituindo sistemas de vigilância passiva que estão em uso hoje.

Por que o ADS-B é necessário? Hoje, existem dois tipos de sistemas de vigilância para detectar, identificar e rastrear alvos.

Ambos são sistemas de vigilância passiva. O sistema primário é o radar. Os sistemas de radar têm alcance limitado e a capacidade de discriminar entre múltiplos destinos. O sistema secundário é o sistema de beacon Modo A / C.

Os transponders A / C do modo podem distinguir entre múltiplos destinos, mas exigem interrogações de resposta de transmissão dos sites de radar. Esses sinais de radar podem atenuar-se em fortes precipitações e apresentar taxas de atualização lentas. Isso exige que os controladores de tráfego aéreo aumentem o espaçamento entre as aeronaves. Maior separação significa menos aeronaves no espaço aéreo em um determinado momento. Uma diminuição é o número de aeronaves entrantes de efeitos da aeronave que desejam acesso ao mesmo espaço aéreo. As aeronaves de entrada estão atrasadas, reduzindo assim a capacidade geral e a taxa de transferência do sistema. Esse efeito de ondulação diminui a eficiência do operador. Além das operações de voo ineficientes, os sites de radar terrestres são caros de manter.

O ADS-B é necessário para reduzir custos e ineficiências causados por sistemas terrestres e aumentar o rendimento e a capacidade do sistema.

Aqui está o que o ADS-B significa:

Automático: desde o momento em que o sistema de aviônica de uma aeronave é ligado, até o momento em que é desligado, o sistema de vigilância transmite "automaticamente" a sua posição precisa e informações de identificação. A única ação-piloto necessária é ligar a aviônica e garantir que a identificação de voo correta seja inserida no equipamento ADS-B.

Dependente: A qualidade da informação que é transmitida aos Provedores de Serviços de Navegação Aérea (ANSPs), pilotos, operadores de veículos de serviço e outros usuários é "dependente" do sistema aviónico da aeronave.

Vigilância: O sistema de aviônica da aeronave obtém informações de posição precisas do Sistema de Satélites de Navegação Global (GNSS), suas informações de rumo e velocidade do Computador de Dados de Ar da aeronave, sua identificação de voo, código de registro exclusivo, precisão de navegação, outros recursos de aeronave de informações que está pré- configurado no sistema ADS-B na instalação. Esta é a informação de "vigilância" que é necessária para a identificação e a separação segura das aeronaves.

Transmissão: A posição GNSS precisa da aeronave é "transmitida" uma vez a cada segundo. Os outros bits de informações de vigilância são "transmitidos" a cada dois segundos. Os sistemas ADS-B fornecem mais informações sobre aeronaves e voos do que era possível com sistemas de vigilância passiva. A vigilância ativa é tão diferente da vigilância passiva quanto uma exibição de televisão em preto e branco é de uma tela LED de alta definição.

Benefícios

Com o ads-b operacional em todo o país, os pilotos em aeronaves equipadas agora têm acesso a serviços que oferecem um novo nível de segurança e eficiência.

Os operadores equipados com ads-b out irão desfrutar de um espaçamento mais eficiente e roteamento ideal em ambientes não-radar, incluindo o espaço aéreo em regiões montanhosas e países limítrofes com o brasil.

As aeronaves equipadas com ads-b out aumentarão a conscientização do controlador aéreo sobre as aeronaves no espaço aéreo. Os radares usados hoje podem levar de 5 a 12 segundos para atualizar a posição de uma aeronave. O equipamento ads-b fornece controle de tráfego aéreo (atc) com informações de aeronave atualizadas quase todos os segundos. Isso permite aos controladores identificar e resolver situações potencialmente perigosas de forma rápida e eficaz.

Devido aos requisitos da faa para o serviço ads-b, em muitas áreas dos estados unidos, a cobertura existe em altitudes mais baixas do que os atuais radares atc.

Segurança aprimorada

As aeronaves equipadas com ads-b têm acesso ao serviço de informação de voo / transmissão (fis-b), que transmite tempo gráfico para o cockpit, bem como avisos baseados em texto incluindo avisos para aviadores e atividade meteorológica significativa. Estes estão disponíveis apenas com um transceptor de acesso universal (uat).

O ads-b in também oferece aos pilotos acesso ao traffic information service-broadcast (tis-b), que fornece altitude, trilha no solo, velocidade e distância das aeronaves que voam no contato do radar com controladores e dentro de um raio de 15 milhas náuticas, até 3.500 pés acima ou abaixo da posição da aeronave receptora. Tudo isso aumenta muito a segurança do piloto.

Consciência situacional

Os pilotos da aeronave equipada ads-b podem ver o local da aeronave circundante e o clima gráfico nas telas do seu cockpit. É uma visão semelhante ao que o controlador de tráfego aéreo vê, criando um ambiente de consciência situacional compartilhada e capacidade crucial de ver e evitar.

As informações de ads-b out podem ser transmitidas em duas frequências, 1090 mhz e 978 mhz. A vigilância dependente automática - rebroadcast (ads-r) retransmite dados de uma frequência para outra, fornecendo aeronaves operando em ambos os links ads-b a capacidade de se ver nas suas telas de trânsito.

O ads-b in também transmite avisos de informações de voo importantes, tais como restrições temporárias de voo ou pistas fechadas e pode ajudar os pilotos a evitar o terreno em situações de baixa visibilidade, uma vez que os mapas do terreno podem ser facilmente adicionados às telas do cockpit. Estes serviços de consultoria de piloto ads-b são fornecidos sem custo para o usuário.

Busca e resgate

A supervisão gps altamente precisa fornecida pelo ads-b também melhora a capacidade de realizar missões de busca e salvamento. Os controladores de tráfego aéreo que rastreiam aeronaves com ads-b out têm informações mais precisas sobre as últimas posições relatadas, eliminando boa parte dos trabalhos de busca e resgate, pois o sistema Ads-b out transmite dados aproximadamente uma vez a cada segundo e, portanto, permite um rastreamento mais preciso das aeronaves em comparação com as atuais taxas de varredura do radar que é de 3 a 15 segundos.

Como as estações de rádios terrestres ads-b são bem menores e compactas, o que permite a sua colocação em áreas onde um radar seria inviável, como em terreno montanhoso. Os controladores de tráfego aéreo têm melhores informações sobre a última posição de um avião, reduzindo assim a janela crítica de tempo envolvida em uma operação de busca e resgate.

Enquanto nos EUA - FAA

ADS-b (Automatic dependent surveillance-broadcast)

Está rapidamente se tornando o tópico mais quente na aviação geral. O prazo para o novo sistema de transmissão e posicionamento está cada vez mais próximo, mas ainda há uma grande quantidade de aeronaves que não cumprem os requisitos do mandato.

O tempo de exigência em todo território americano para ter o ads-b in é em janeiro de 2020. Este é o equivalente a passar de um telefone celular para um iphone, e quase tão grande como passar do analógico para o digital. Esta é uma grande mudança na indústria, provavelmente uma das maiores já vistas com o nível de tecnologia inovadora envolvida, de modo que obter aeronaves adequadamente equipadas é tão importante.

Nos eua há cerca de 20.000 aeronaves que precisam ser atualizadas, então há muito trabalho a fazer antes de 2020.

A Europa também está implementando os requisitos do ads-b e é inevitável que o resto do mundo siga. Há um grande impulso na Austrália, bem como grande parte da Ásia.

A china atualmente já tem uma capacidade inicial, mas só deve ser mais robusta em 2022.

Enquanto isso no Brasil

Em 2015 o DECEA noticiou a conclusão da infraestrutura necessária para o início da operação do Sistema de Vigilância Aérea Automático Dependente por Radiodifusão (ADS-B Automatic Dependet Surveilance – Broadcast) na Bacia de Campos. Seis estações receptoras de sinais ADS-B já estão instaladas na região da Bacia de Campos (quatro sobre plataformas marítimas, no oceano atlântico, e duas em terra firme), integradas ao SAGITARIO, sistema/software utilizado pelos controladores de voo no Centro de Controle de Aproximação de Macaé e com a homologação final dos sistemas e equipamentos, a certificação/habilitação ADS-B das aeronaves e com a capacitação dos recursos humanos finalizada, somente helicópteros apropriadamente equipados, operando ADS-B, serão autorizados a ingressar no espaço aéreo da região. O sistema propicia melhorias determinantes para a vigilância aérea ao permitir um maior número de amostras e mais parâmetros sobre as aeronaves do que é convencionalmente possível obter com o radar secundário.

Em nota a Anac disse: O DECEA oficiou à ANAC que os radares em operação no Brasil não utilizam a tecnologia mode-S e não há previsão para sua utilização. Desta forma, para o desempenho das atividades do controle do tráfego aéreo no Brasil, não se justifica a obrigatoriedade exclusiva do Transponder Mode S tal como requerido pelo requisito RBAC 135.143(c). Neste aspecto, é tecnicamente apropriado, portanto, permitir que as aeronaves que voam dentro do espaço aéreo brasileiro possuam Transponder Mode A/C ou Transponder Mode S, como estabelecido na regulamentação do DECEA.

Quanto à implementação no Brasil de futuras tecnologias de vigilância do espaço aéreo pelo DECEA, como a ADS-B, foi verificado nas reuniões do Comitê ANAC-DECEA que o uso de Transponder Mode A/C ou Mode S pelas aeronaves é compatível com o emprego da ADS-B, sendo tal uso previsto no documento de especificação técnica RTCA/DO-260 – “Minimum OperationalnPerformance Standards for 1090 MHz Automatic Dependent Surveillance – Broadcast (ADS-B)” e suas versões posteriores.

Resumindo:

ADS-B é vigilância de alta definição para o século XXI. Está modernizando a forma como os provedores de serviços de navegação aérea detectam, identificam e acompanham o tráfego. O ADS-B está transformando o espaço aéreo global e é uma pedra angular da modernização do tráfego aéreo NextGen. Isso garantirá operações seguras e eficientes no século XXI.

Só basta esperar a aceitação dos usuários e a evolução das autoridades competentes no Brasil, que como em tudo, na aviação também costuma ser o último a evoluir.

A DelAir Assessoria & Consultoria em Aviação em parceria com a Americas Aviation estão preparadas para lhe auxiliar na aquisição do melhor equipamento ADS-B para aeronaves leves, LSA e experimentais.

Saiba mais em: https://www.americasaviation.com.br/balizador-uavionix

www.americasaviation.com.br

Americas Logistics Inc. 8121 NW 68th Street Miami, FL 33166 USA - Phone +1 757-509-5823 - USA

 Av. Pres. Juscelino Kubitschek - 1830 - Chácara Itaim - São Paulo - SP +55 11 3090-3988 - Brasil