Posts Recentes

"Ação urgente" necessária para evitar o desastre da linha aérea de Brexit

Se o Reino Unido deixar de estabelecer direitos de tráfego para as companhias aéreas antes de sair da União Européia (UE), seria "um desastre", disse o chefe da IATA nesta terça-feira. Enquanto a IATA e a indústria da aviação esperam que os negociadores do governo chegarão a um acordo a tempo para evitar a interrupção do serviço aéreo, as notícias da semana em que negociações mais amplas da Brexit estão paralisadas causam preocupação. A IATA, que não está envolvida nas negociações da Brexit, está pedindo que os direitos de tráfego da companhia aérea sejam estabelecidos o mais cedo possível, até outubro de 2018, o mais tardar. O Reino Unido está programado para deixar a UE em março de 2019 e as companhias aéreas estabelecem seus horários e vendem ingressos pelo menos seis meses antes da operação. Como parte da UE, o Reino Unido atualmente se beneficia dos direitos de tráfego liberalizados na Europa e também do acordo EU-US Open Skies. Se o Reino Unido sair da UE sem garantir novos direitos de tráfego, teria que reverter para o sistema bilateral aéreo pré-liberalizado, inclusive para vôos para a Irlanda, que é um país da UE. "O pior caso seria que a conectividade não seja mantida entre o Reino Unido e a UE devido ao desaparecimento dos direitos de tráfego. Os direitos de tráfego são uma questão chave ", disse o diretor-geral e CEO da IATA, Alexandre de Juniac, em uma entrevista coletiva em Genebra, 5 de dezembro. "Seria um desastre para transportadoras baseadas no Reino Unido porque não teriam permissão para pousar na Europa. Não acho que isso aconteça, mas é um risco ". De Juniac disse que "ação urgente" era necessária para negociar o fornecimento de conectividade pós-Brexit. "Como regra geral, o negócio da liberdade está no seu melhor em criar valor para o mundo em um quadro liberalizado. Essa é uma mensagem que pretendo empurrar com bastante força no próximo ano ", disse ele. O quadro Open Skies da UE é creditado com a estimulação do crescimento do tráfego aéreo da Europa, especialmente no setor LCC. O vice-presidente regional da IATA, a Europa, Rafael Schvartzman, disse que resolver a situação da aviação pós-Brexit no Reino Unido seria "difícil, mas viável". "Esperamos encontrar uma solução para os arranjos do serviço aéreo do Reino Unido após março de 2019, permitindo que o tráfego aéreo entre o Reino Unido e a UE continue", disse Schvartzman. Os passageiros europeus seriam "os maiores perdedores" se isso não acontecer, ele advertiu.

www.americasaviation.com.br

Americas Logistics Inc. 8121 NW 68th Street Miami, FL 33166 USA - Phone +1 757-509-5823 - USA

 Av. Pres. Juscelino Kubitschek - 1830 - Chácara Itaim - São Paulo - SP +55 11 3090-3988 - Brasil